O Caso Onison Pátero é um dos mais interessantes casos da Ufologia Brasileira. O protagonista, Onilson Pátero, foi abduzido em duas ocasiões, a primeira na noite de 21 para 22 de maio de 1973 e a segunda em 26 de abril de 1974. Nesta segunda experiência, Pátero foi deixado à 300 quilômetros do local do sequestro.

87E3164C-9974-4EAC-B200-B074813B80E8

Uma das características mais importantes deste caso é uma experiência de clonagem ocorrido a bordo do disco voador.

A Primeira Abdução 

Na noite de 21 para 22 de maio de 1973, na estrada de Itajobi, ao norte do Estado de São Paulo, o comerciário Onilson Pátero voltava para casa (em Catanduva). Ele voltava da cidade de Oswaldo Cruz, onde tinha ido à trabalho. Ele iniciou sua viagem por volta das 23:00 horas, e viajaria 280 Km até Catanduvas, em seu carro, um Opala, de cor azul.

7B2D0EAD-2B02-4C33-8F54-CC1FBB5080D5

Ao passar pela ponte do “Salto” de Avanhadava, a aproximadamente 150 km de Catanduva, deparou-se com um carro forte parado na rodovia e um rapaz pedindo carona, na proximidades. Seu primeiro pensamento foi de que o moço fosse conhecido do posto policial rodoviário perto de Avadanhava, situado ali próximo. Onilson se apresentou, seguido pelo rapaz, que disse se chamar Alex. Onilson ofereceu cigarro, mas o rapaz recusou, dizendo que não fumava quando estava viajando. Entretanto, o rapaz portava algo semelhante à uma caixa de cigarros, metálica, que mantinha próximo ao corpo.

48026D79-2546-4A4A-9F59-A04DD1501B6D

Durante a viagem, ambos conversaram animadamente. O estranho fez várias perguntas sobre Onilson, sobre seu grau de instrução e seu modo de vida, quanto tempo ele morava em Catanduva, ramo de atividade, entre outras coisas. Onilson respondia a todas as perguntas e ocasionalmente perguntava também. Uma destas perguntas foi sobre o ramo de atividade de Alex. O rapaz respondeu que seu ramo era negócios. Ao longo da conversa, o rapaz demonstrou ter uma ótima memória, pois lembrava tudo o que Onilson falara. Ao dar carona ao rapaz, Onilson falou onde morava, citando nome da rua e número de sua casa. Ao final da carona, cerca de uma hora e meia depois, o rapaz agradeceu a carona e declarou: “Qualquer dia destes vou lhe fazer uma visita em sua casa, lá na Rua tal, número tal”, repetindo exatamente o mesmo endereço.

D4203192-D7C1-4004-9B85-684C8D4DF35F

Inicialmente, o destino de Alex seria Catanduva, cidade para onde Onilson se dirigia. Em dado momento da viagem, na rodovia Washington Luis, à entrada de Catanduva, o estranho afirma que ter lembrado que seu destino não era Catanduva, e sim Itajobi, situada a 18 Km de distância.

Naquele horário, de madrugada, não havia transporte disponível até aquela localidade. Além disso, chovia, razão pela qual Onilson resolveu levá-lo até seu destino final. Ao chegar na localidade, deixou-o na praça central e recusou o dinheiro que o estranho lhe oferecera. Mesmo com essa oposição, o estranho colocou uma nota de 50 cruzeiros no bolso da blusa que ele vestia. Após isso, despediram-se e Onilson dirigiu-se para sua casa novamente. Ele consultou o relógio, verificando que eram aproximadamente 3 horas da manhã.

Quando faltavam 7 quilômetros para chegar ao seu destino fatos insólitos começaram a ocorrer. Inicialmente, Onilson percebeu uma interferência no rádio de seu carro. Onilson foi diminuindo o volume do som. Além disso, o motor do carro começou a falhar, perdendo rendimento. Pouco depois, ele percebeu o surgimento de um foco de luz azul, com uns 20 cm de diâmetro, no painel à sua frente.

7F2B2B8D-479B-496A-A58F-B0CC858BB8FB

Aquele foco de luz deslocou-se para a direita, posicionando-se no banco vazio ao seu lado. Em seguida, o foco desceu, passando para o lado esquerdo, em um movimento ondulatório, colocando-se sobre os pedais, onde desapareceu. Onde este facho de luz incidia, a área iluminada ficava transparente, permitindo à Onilson ver o motor funcionando e o asfalto passando por baixo do veículo. Intrigado, olhou o céu, através do pára-brisa, visando identificar a origem e tal fenômeno. A noite estava escura e a chuva engrossava.

O motor do carro continuava a apresentar problemas, obrigando Onilson a reduzir a marcha. Passados 500 metros após uma subida, Onilson percebeu uma luz intensa, logo à frente. Desta luz, um feixe luminoso vinha em sua direção. Ao se aproximar do objeto, pela estrada, a luz foi ficando tão intensa e cegante, que Onilson teve que proteger seus olhos. Imaginando que tratava-ede um veículo, vindo em direção contrária, sinalizou quatro vezes, alternado entre farol alto e baixo. Não houve qualquer resposta. As falhas no motor intensificaram-se, diminuindo ainda mais o rendimento do veículo. Onilson diminuiu a marcha, passando-a para primeira. Temendo uma batida com o suposto veículo, o motorista desviou o carro para o acostamento, onde parou de forma atravessada. Não conseguiu ver se estava ainda na pista ou fora dela, devido à luz que o cegava.37DA39B0-A72A-4AA8-9BF2-0B38DB8DE601

Neste momento, percebeu que todo o sistema elétrico do veículo estava inoperante. Motor, faróis, rádio e painel estavam em pane. Ele retirou os óculos e temeu por um impacto de um possível caminhão. Percebendo que tal veículo não passava, resolveu arriscar olhar a origem de tal luz. Para sua surpresa, observou um objeto suspenso no céu. Ele tinha formato circular, como duas abóbodas superpostas.

Ainda sentado no banco do motorista, sentiu forte calor. Ele abriu a porta, e colocou o pé direito no chão, ocasião em que notou que do objeto surgiu uma espécie de campo envolvente, ao mesmo tempo em que sentiu a temperatura amenizar. Onilson permaneceu observando o objeto que emitia um zumbido. Do aparelho surgiu uma espécie de cilindro, que desceu ao solo, aproximando-se da testemunha que, assustada, pensou em fugir. Ele pensou em fugir em direção à Itajobi, entrando em um bosque e em seguida tentar chegar à Catanduva. Ele chegou a correr uns 30 metros, até que sentiu que algo o prendeu. Ele descreveu o mecanismo como sendo uma espécie de borracha fina, embora não tenha visto de fato o que seria. Ele se virou, em direção ao carro, e percebeu que o objeto encontrava-se próximo deste, iluminando-o com o raio de luz. Espantado, percebeu que seu carro estava todo transparente, como vidro. Em seguida, perdeu os sentidos.

376893C9-BCE6-429F-B021-B9C803439397

Na manhã seguinte, o policial Clóvis Queiroz, encontrava-se em sua guarita, no entroncamento Catanduva – Presidente Washington Luiz, quando, pouco antes das 5 horas da manhã, foi procurado por dois rapazes. Estes contaram que passaram com sua Kombi pela estrada de Itajobi e em determinado trecho havia um homem caído ao lado de um Opala, que tinha as portas abertas e os faróis acesos.

8DA93497-6A49-4348-B04B-8A406B6201A7

Imediatamente, o guarda seguiu de carro até o local informado por volta das 5 horas da manhã. Ele posicionou seu carro, iluminando a vítima, que ainda estava caída. Em seguida, aproximou-se para examiná-lo. Ao perceber que ele estava vivo tentou desvirá-lo. Imediatamente, Onilson tentou soltar-se do guarda, aparentando forte impacto emocional. Ao ser questionado pelo guarda sobre o que tinha acontecido, Onilson declarava: “Eles querem me pegar…”. Assim que conseguiu , identificou-se e narrou todos os fatos ocorridos.

Naquele momento, aproximava-se um caminhão, carregado com pintinhos. O guarda sinalizou ao motorista, pedindo-o que parasse. Em seguida, levou o motorista até Onilson e disse:? “Estamos aqui, agora, nós três. Eu o desafio a dizer onde estão os caras que, segundo me informou, querem pegá-lo”. Diante de tal pergunta, Onilson declarou: “O negócio aqui é sério… não foi brincadeira não”. Ainda incrédulo, o guarda considerou Onilson como tendo sido vítima de ataque epilético e achou melhor encaminhá-lo para tratamento. Ele dirigiu-se até o carro, para fechá-lo e percebeu um mapa rodoviário aberto. Ele questionou Onilson, se o mesmo havia consultado o mapa, antes do desmaio. Onilson negou e declarou que mapa era dele e estava guardado em uma pasta ao lado do acento.

 

Ambos inspecionaram o local e encontraram a pasta aberta no assento, com os papéis remexidos, espalhados pelo assento e no chão do veículo, embora a chave da pasta ainda estivesse no bolso de Onilson. Onilson reafirmou não ter aberto a pasta e remexido os papéis.

Pouco depois, o guarda rodoviário levou Onilson para a emergência da Santa Casa de Catanduva, onde ele foi atendido pelo médico Dr. Elias Azis Chediak, que o submeteu a exames clínicos, à testes neurológicos e psicológicos, não encontrando nada de anormal. Um fato estranho constatado por todos os envolvidos é o fato de Onilson ter estar sob a chuva da madrugada, estando assim todo encharcado, com exceção das costas de sua blusa, que encontrava-se seca.

A esposa de Onilson, ao receber a notícia de que seu marido estava no Hospital, apanhou roupas limpas e dirigiu-se para a Santa Casa. Ao chegar encontrou o marido e constatou, espantada, que os cabelos de Onilson estavam pretos, ao invés de castanho, sua cor natural. A cor natural só reapareceu 3 ou 4 dias após o contato.

Outro distúrbio fisiológico apresentado por Onilson foi uma estranha coceira surgida logo após o caso. O Dr. Chediak prescreveu um medicamento, recomendando-lhe que voltasse no dia seguinte, para complementação dos exames e acompanhamento.

A Segunda Abdução 

931465AC-3262-429C-9FDE-17058AEDE22D

No dia 26 de abril de 1974, Onilson avisou sua esposa D. Lourdes, que ia almoçar mais cedo, pois sairia a negócios para a cidade Julio de Mesquita (aproximadamente 160 Km de Catanduva). E assim partiu às 12:30 hs.

Chegando em Júlio de Mesquita às 15 horas, não encontrou o prefeito com quem, conforme combinação prévia trataria, às 15:30 hs, de venda de uma biblioteca para a cidade. Onilson era representante de uma empresa especializada no ramo.

O prefeitos Antônio Soares, só chegou às 17:30 hs e não finalizou a compra, alegando que primeiro teria que escutar a opinião do fiscal de ensino, na cidade vizinha (Marília). Ele resolveu então seguir até Marília (a 30 km), mas o fiscal de ensino estava ausente. Então ele fez um lanche rápido e iniciou a viagem de volta para casa às 22:30 hs.

Ele havia vendido seu carro Opala, pouco tempo após sua abdução e agora viajavam em um fusca azulado. Por volta das 23:30 hs, ele se encontrava a 15 km de Guarantã, e a 120 km de Catanduva. A cerca de 200 metros da lina de alta tensão da Cia. Elétrica de São Paulo,  observou uma luminosidade azulada correndo paralelamente ao longo dos fios.

Nesse momento, o motor do carro começou a falhar ao mesmo tempo em que ele observou um filete de luz intensa, azulada. Lembrando dos fatos envolvendo sua primeira experiência, Onilson resolveu seguir adiante e fugir do local, evitando um novo contato.

08E3C68C-1760-438C-B9B0-443ADB37BA46

Sua fuga foi frustrada pois, o motor morreu, obrigando Onilson a conduzir o carro, ainda embalado, para o acostamento. Assim que parou o carro, ele observou um objeto idêntico, ou talvez o mesmo objeto visto na primeira ocasião. Assustado, Onilson resolveu fugir a pé. Ele abriu a porta do carro, e percebeu que uma espécie de esteira se aproximou, e passou por baixo de seu pé justamente na ocasião em que pisaria no solo. Tal esteira foi sendo recolhida, transportando Onilson em direção ao objeto. Repentinamente ele viu-se em uma sala ovalada a bordo do objeto.

Nesta sala, ele viu o mesmo rapaz à quem dera carona, por ocasião da primeira experiência. Ele vestia a mesma roupa que usava naquela noite e aproximou-se sorrindo e dizendo que nada de mal aconteceria à Onilson. Essa comunicação foi ouvida perfeitamente por Onilson, mas quando este tentou responder não ouviu suas próprias palavras.

O ambiente da primeira sala

No meio da sala havia uma grande luminosidade azul, que aparentemente vinha do teto (a uns 3,5 m de altura), em forma de cúpula, onde se viam muitos fios cruzando-se, conforme teias de aranha, em 3 a 4 camadas.

Ao longo da parede da sala, à altura aproximada de 1 metro do piso, deslocava-se, em circunferência, uma luz azulada.

DCA61D30-4CD5-495D-8E8B-FDC5AC7FA248

O moço pediu a Onilson para que sentasse numa cadeira de costas altas e que tinha assento fofo, parecendo borracha.

Na 2ª Sala

FDE3F788-5136-4FA6-B8B1-2D19BF68171C
Não sabe quanto tempo teria ficado na primeira sala, pois ali só teve consciência durante 1 a 2 minutos. A lembrança lhe voltou de novo quando já se achava em outra sala, semelhante à primeira. Havia fios no teto, porém pela parede se dispunha em circunferência um tubo de metal brilhante, de uns 30 cm de espessura. Também havia luzes dispostas em circunferência, paralelamente à do referido tubo e aproximadamente a 1 palmo acima deste. Além disso, havia na parede uns 3 a 4 pontos luminosos que costumavam apagar-se do mesmo modo como se vê numa tela de TV ao ser este desligado.

Nesta sala estava Alex, que lhe pediu para tirar a roupa e vestir outra e por ele foi ajudado. A roupa era de um tecido que parecia ser feio de fios metálicos, com aspectos de nylon de brilho fosco, e que o cobria até os pés. Onilson ouvia as explicações de Alex porém não podia ouvir as suas próprias perguntas. A roupa ajustava-se ao seu corpo e por dentro sentia-a macia. Não sabe se havia fios que ligassem a roupa à parede.

Viu ainda que na parede uma janela de aproximadamente 1,5 m de comprimento por 60 cm de largura e através dela notou à distância de 5 a 6 m, no compartimento contíguo, o movimento de pessoas que pareciam sentadas em cadeiras, pois só as via até a cintura. As cadeiras pareciam motorizadas ou então seriam carrinhos, pois essas pessoas se movimentavam conservando seus corpos imóveis, o que já não aconteceria se estivessem andando com seus próprios pés. As pessoas, que no máximo eram três juntas para seu campo visual, estavam ora de frente, ora de lado, e cobertos por capuzes que se constituíam num prolongamento da própria roupa que vestiam.

Uma estranha manobra

FBD25F64-C0A4-403F-A051-27B10154BA31
Alex, ao dizer “você vai ver uma manobra”, passou a sua mão em um local da parede, onde, em seguida, apareceu um visor de uns 40 cm de largura, permitindo visão para fora do Disco Voador. Onilson recebeu então um capacete para colocar na cabeça, fechado na parte do pescoço mas sem provocar falta de ar. O capacete possuía um visor na frente e Onilson teve a impressão de que quando este lhe foi colocado na cabeça acabou por ver melhor e para mais longe, distinguindo perfeitamente a paisagem. Não sabia se era dia ou noite lá fora, mas distinguiu um vale, onde havia uma cidade que lhe parecia do tipo europeu, pois consistia de casas com telhados altos e bem inclinados e também pareciam haver torres de igrejas.

Distante da cidade a, talvez a uns 2000 m dela, viu surgir do solo uma formação em forma de ovo, de 4 a 5 metros de largura que, acompanhada de uma nuvem branca, elevou-se nos ares e aproximou-se do local onde estava Onilson. Se esse ovo entrou no mesmo local onde estava, devia ter sido em outra sala, pois na sua sala nada viu entrar.

Alex explicou que eles estavam empenhados em retirar da terra certa substância, a qual facilmente manipulada seria fatal para os discos voadores. Essa substância existiria na Terra e forçosamente seria descoberta pelos seus habitantes, mais cedo ou mais tarde. Entretanto, “eles” estavam estudando o assunto, para achar uma defesa, para o futuro, contra a aplicação desta substância, e que neste intento, forçosamente, seriam bem sucedidos.

Uma estranha explicação
Alex ainda explicou que, no futuro, esperavam chegar a um entendimento com os terrestres, mas se tal não se realizasse, seria lançado um pó fino, semelhante à uma fumaça, que não faria mal nem a uma borboleta. Se necessário trariam Onilson outra vez… mas desta vez junto com uma pessoa de certo nível hierárquico da Terra.

A Urna
Alex colocou então em Onilson, uns braceletes de aspecto metálico, amarelados e opacos, nos pulsos e nos tornozelos, que não o incomodavam. Depois de ter ficado uns 5 minutos nessa segunda sala, foi colocado numa urna, parecendo de isopor, embutida no piso e onde havia lugar para todo o corpo se acomodar anatomicamente. Não sabe porém quanto tempo ficou nessa urna, pois não se lembra de mais nada. Só sabe que, quando a consciência voltou, já estava novamente vestido com a sua própria roupa e em outro compartimento mais espaçoso, mas sem a presença de Alex.

O 3º Compartimento
[Obs. da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores (SBEDV), e de Onilson: Este compartimento, bem como o anterior, não deviam fazer parte do disco voador que sequestrou Onilson, porque não poderiam caber dentro das proporções do aparelho].

Esse ultimo salão que Onilson lembra ter avistado era em formato semi-cilíndrico, tendo 12 a 15 metros de diâmetro. Ele achava-se sentado numa cadeira, em fileira de 5 a 6 cadeiras colocadas no meio. Havia ainda à sua frente, no centro, um cilindro metálico brilhante, de uns 40 cm de diâmetro, que alcançava o teto do salão e que era de uma altura de uns 10 a 15 metros. No canto à sua esquerda, nada havia, mas à sua direita estavam em pé 3 pessoas encapuzadas, cujas roupas soltas estendiam-se até os pés. Deviam ter altura regular de 1,70 m. Onilson os denominava de “médicos”. Um deles estava sentado diante de uma tela. Outro olhava para Onilson e o terceiro observava alguns objetos presentes na sala.

O Clone

 

Foi nesse momento que surgiu um novo personagem: um individuo humano, idêntico à Onilson, em seus mínimos detalhes. Ele vestia uma roupa idêntica à que Onilson trajava no dia de sua 1ª abdução, 11 meses antes. Ele permaneceu nesta sala por alguns instantes e saiu da sala. Pouco depois, três outras pessoas, também de aspecto humano, entraram na sala, desaparecendo logo em seguida. Tudo isso não durou mais do que três minutos.

A lembrança seguinte de Onilson foi de estar sendo desembarcado do objeto através da mesma esteira que o capturou no início de sua experiência. Ele foi colocado de forma suave sobre a relva em algum lugar desconhecido para Onilson, que sentou no chão e observou a partida do estranho objeto. Ele olhou seu relógio e viu que já eram 3:15 hs da madrugada. Olhando em volta, percebeu ao longe luzes de uma cidade, e luzes de veículos trafegando em uma rodovia, em um vale próximo. Ele iniciou a descida do que parecia ser uma colina, em direção à esta estrada.

A descida do morro e o encontro com o fazendeiro

Parece que a descida do morro, com ausência da Lua, em terreno de altos e baixos, pedras grandes e pequenas, deve ter desesperado Onilson. Isso foi confirmado pelos gritos de socorro que de vez em quando lançava ao ar, ao longo das 3 horas de descida. Mais tarde, Onilson desenhou um croqui com o caminho de descida do morro.

681D40FC-2845-4A73-8F71-A1485E0ACBF2

Quando alcançou uma pedra maior, já bem baixo, resolveu descansar pois tinha machucado um pé numa fenda e também estava com caimbra. Enquanto estava parado, para descansar por uns 15 a 20 minutos, começou a cair uma chuva fina, que lhe trouxe maior ânimo. Ele então se abrigou embaixo de uma pedra inclinada, onde assinalou sua passagem pelo local com um canivete, gravando as iniciais de seu nome.

Com o raiar do dia, ele chegava à base do morro, onde avistou um grupo de pessoas. Ele aproximou-se, identificou-se e pediu ajuda para chegar à uma Delegacia de Polícia, pois queria avisar seus parentes de que estava bem. Ele relatou à um dos fazendeiros, chamado Cesar Menelli, sua experiência. O fazendeiro o levou para sua casa, onde ele tomou um banho e fez um lanche.

Embora Onilson dissesse à sua esposa que voltaria no mesmo dia em que saiu de casa, Dona Lourdes ficou preocupada, embora mantivesse aparência calma diante do sumiço do marido. Onilson viajou na sexta-feira 26 de abril de 1974. Os dias passaram e Onilson não retornava de viagem e nem dava notícias aos seus familiares. Na terça-feira seguinte, dia 30 de abril de 1974, chegou o aviso da Delegacia de Polícia de Guarantã informando que acharam o veículo de Onilson três dias antes. O veículo estava aparentemente em ordem, sem sinais de acidente ou crime. Não havia sinais ou pistas sobre o paradeiro do dono, Onilson, que então encontrava-se oficialmente desaparecido. Os familiares buscaram informações em hospitais, sem obter qualquer pista sobre Onilson.

CE2A483F-0E3D-48DF-8F57-046CB28D0F24

No dia seguinte, 1º de maio, uma quarta feira, Éder Pátero, irmão de Onilson, seu sobrinho Antônio Chagas e seu cunhado Francisco Sanches, iniciaram nova busca pelo desaparecido. Primeiro verificaram o carro de Onilson, retido na Delegacia de Guarantã, e não encontraram qualquer pista. Eles então refizeram o trajeto provável que Onilson teria feito em sua viagem, visitando fazendas à beira da estrada, cidades, hospitais e delegacias de polícia. Assim, passaram por Marília Pirajuí, Pongaí, Cafelândia, Guarantã, Novo Horizonte e Júlio de Mesquita, sendo que nessa ultima procuraram o próprio prefeito, com quem Onilson havia conversado no dia de seu desaparecimento.

5D10B837-7012-4D85-B661-19A4E7FD7FDC

Na quinta feira, 2 de maio, os familiares receberam uma ligação informando que Onilson Pátero havia reaparecido em Colatina, Espírito Santo. Eles imediatamente iniciaram a viagem para buscar Onilson em Colatina. Ao encontrar Onilson, constaram que este estava um pouco pálido. Por volta das 13 horas de 4 de maio tomaram o caminho de volta. A esta altura, a história do desaparecimento e reaparecimento de Pátero já tinha chegado à imprensa e vários repórteres estavam empenhados em cobrir o fato. A 12 Km de Colatina, os repórteres aguardaram a passagem da família Pátero na entrada da fazenda Catuá, de propriedade do Sr. Menelli. Eles então pediram a Onilson para subir com eles até a pedra onde ele gravara seu nome, marcando sua passagem pelo local. Os repórteres não só confirmaram a existência da gravura como também a fotografaram, publicando-a no jornal “O Vespertino”, de Vitória, no dia 6 de maio de 1974.

As investigações da família e sua viagem de busca resultaram em gastos consideráveis, além dias úteis de trabalho desperdiçados por Eder, durante o período de buscas por Onilson.

Evidências 

O Caso Onilson Pátero é reforçado por vários fatos, detalhes, indícios e evidências que confirmam o relato da testemunha. A Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores entrevistou o Dr. Chediak, que atendeu Onilson Pátero na manhã seguinte ao sequestro. Dr. Chediak listou suas constatações:

Manchas subcutâneas

6014FD81-4C60-4CC9-935F-8D12E35B67D8

No corpo de Onilson existiam manchas, parecidas com efusões sanguíneas, que evoluíram da seguinte forma: Inexistentes ao dar entrada no Hospital.
Apareceram 5 a 6 dias, com pouca intensidade, na parte inferior do tórax.
Cerca de 12 a 13 dias depois de sua passagem pelo Hospital, Onilson tinha todo o corpo coberto pelas manchas.
Estas manchas apresentavam forma irregular e diferenças entre si, com variações de tonalidade.
Geralmente surgiam com cor marrom, adquiriam tons esverdeados, amarelando aos poucos.
Em alguns pontos existia um discreto prurido.
A pele permanecia intacta, sem lesões.
Exames médicos nada revelaram.

A blusa seca.

A FAB entrevistou Onilson e este declarou que havia um carro forte parado perto do local onde dera carona ao rapaz, naquela noite, e que outro carro forte idêntico passou por ele no instante em que deixara o carona em Itajobi. Declarou também que o carona segurava uma caixinha metálica semelhante à um porta-cigarros.
Outros fatos anômalos puderam ser comprovados:

Mudança na cor do seu cabelo (marrom para preto), observada pela esposa, e que durou poucos dias.

Além de modificações no cabelo e na pele, acima descritas que eventualmente poderiam estar influenciadas também por um psiquismo, houve também dois fatos concretos que não permitem a suposição de tais influências (psíquicas): a blusa estava seca, apesar da chuva que vinha caindo naquela noite, enquanto que o resto da roupa de Onilson estava encharcado.

O fato de Onilson estar prostrado de bruços no acostamento da estrada, com água da enxurrada correndo em torno da sua cabeça, de acordo com a observação de duas testemunhas. Normalmente, isso levaria uma pessoa a um afogamento, o que induziu as testemunhas a taxarem Onilson de “morto”.

Fonte de Pesquisa:

B47 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores – Edição 94-98
B48 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores – Edição 99-103
B50 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores – Edição 112-115
B59 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores – Edição 158-161
B63 Boletim da Sociedade Brasileira de Estudos de Discos Voadores – Edição 1975