Testemunhas viram um ser grande, com cabelos compridos suficientes para cobrir o rosto e as costas. Na parte de trás do pescoço, barbatanas. No meio do mar de Itapuã, em Salvador (capital do estado da Bahia) situado no nordeste Brasileiro, a criatura afundava e depois voltava à superfície, já em outro ponto da água. Por mais de três horas, o ser não identificado parecia um humanoide aquático, Mergulhava e voltava à tona, deixando um acentuado odor de presunto fresco e um mistério no meio do caminho para banhistas e salva-vidas.

C4BEC5AE-1C48-4A1B-A341-FED2663FF05F

Não se sabe se era homem, se era peixe. Na dúvida, quem afirma ter presenciado a aparição desse fenômeno estranho na praia de Itapuã como Homem-Peixe.

Começou por volta de 11h de terça. Uma turista argentina abordou dois salva-vidas que trabalhavam perto do Hotel Catussaba. Ela alertou: tinha um corpo na praia. O cadáver – humano, diga-se de passagem – estaria boiando perto da costa. Foi aí que começou a saga dos dois profissionais, que saíram em busca de um cadáver e voltaram contando ter visto um homem estranho, quase sobrenatural.

Salva-vidas
Áudios de pelo menos quatro salva-vidas da região circulam em grupos de WhatsApp contando a mesma história: um homem cabeludo, com barbatanas, que afundava e voltava à superfície continuamente. A cena foi presenciada por cerca de 200 pessoas, entre hóspedes e funcionários do hotel, vendedores ambulantes e outros banhistas.

“Um tal de homem-peixe que está circulando na região”, anuncia uma das vozes nos áudios, tentando alertar salva-vidas e outros profissionais. Em seguida, outra voz masculina continua a história: o corpo apareceu na beira da praia – e era nítido que fosse um corpo. No entanto, a cada aproximação dos salva-vidas que tentavam resgatá-lo, o corpo sumia. Afundava de um lado, aparecia de outro.

“Como a corrente está descendo sentido Farol de Itapuã, ele ia no sentido (Praia do) Flamengo (oposto) e voltava como se tivesse brincando com a gente. Parecia que tinha uma barbatana pequena atrás do pescoço”, narrou um.

Em seguida, o corpo se afasta mais. No meio do percurso, foi possível ver mais do corpo. No áudio, o salva-vidas afirma ter avistado até o quadril do homem. Era um cara enorme, descreve. Mesmo com muito cabelo, a parte de cima da cabeça era careca. Naquele momento, teve certeza de que era um corpo.

1577F358-514E-49B1-9EB0-14D309AE591B

Ele conta que entrou correndo na água, sendo seguido por mais um colega. Já no mar, o corpo aparecia e sumia várias vezes. Não tinha dúvidas: era um cadáver. Mas só aparecia de costas, com o cabelo cobrindo o rosto, mas a poucos metros de distância. Nunca dava para ver os pés.

Começou a fazer contas: com a maré tão forte, se fosse mesmo um cadáver, já era para estar sendo levado em direção ao Farol de Itapuã – não o contrário. “Mas esse cara ficou. Sei lá o que foi, irmão, uma parada que nunca presenciei em minha vida. Eu não sou supersticioso, só acredito vendo. E ontem eu vi”, narra.

Perto do corpo não identificado, ele afirma ter visto uma tartaruga gigante. O bicho tinha uma cabeça “enorme, pretona”. No áudio, ele reforça: a tartaruga não era o cara. Quando o homem parecia finalmente vir em sua direção, a cerca de 10 metros de distância, ele começou a sentir um cheiro podre, de presunto fresco.

“Nunca tive medo para fazer salvamento nenhum. Nunca hesitei por sensação de medo. Mas ontem eu tive essa sensação. A gente tinha a sensação de que estava sendo monitorado, observado por alguém. Vai entrar aí para as lendas, porque quem não viu não vai acreditar (…). Isso aconteceu mesmo. Foi uma coisa sobrenatural, irmão”,completa o salva-vidas, que diz trabalhar na área há 13 anos.

Banhistas em Pânico

Funcionária do Hotel Catussaba, a professora Ana Paula Ramos, 36, foi uma das pessoas que presenciou a jornada dos salva-vidas e a aparição na praia. Ela participava de uma atividade de entretenimento na piscina do hotel, quando uma hóspede viu o que parecia ser um corpo se afogando. Nesse momento, todos que estavam no local foram para a areia tentar ajudar a orientar os salva-vidas.

Segundo ela, mais de 100 pessoas estavam na areia.

“O mar estava agitado e a gente estava preocupada em ajudar. Por isso, ninguém filmou, nem tirou foto, mas todo mundo viu”,destaca.

No início, ela chegou a pensar que era alguém praticando caça submarina.Só que, numa das “subidas” do ser não identificado, ela avistou o que realmente parecia ser um corpo. Em um dado momento, o corpo levantou – quase como se uma pessoa fizesse o movimento para deixar o mar, mas de costas para a areia. Pela aparência, ela via um homem de pele escura.

“Não vi o rosto, mas de onde eu estava realmente estava na dúvida para enxergar se era cabelo ou (se estava coberto por) algas. Rapaz, todo mundo ficou pasmo. Porque não era só uma pessoa. Todo mundo estava vendo, por isso todo mundo estava preocupado de alguém estar se afogando”.

Como a correnteza puxava para o lado, ela também descartou a hipótese de tratar de um cadáver. Se fosse, porém, certamente seria levado na direção da correnteza. Ela também diz ter visto uma tartaruga perto do corpo, em algum momento. O animal passou pelo corpo, colocou a cabeça para fora da água e depois sumiu. “Eu sei identificar a tartaruga porque também mergulho. Aqui no hotel, todo mundo está impressionado. Todo mundo viu, mas ninguém sabe o que é”.

O jovem Ícaro Silva, 23, é outro que ainda não acredita no que viu. Surfista e vendedor de bebidas na praia, ele se preparava para cair no mar quando percebeu que um dos salva-vidas e duas mulheres tentavam avistar um corpo no mar. Diante da possibilidade de alguém ter se afogado, desistiu de procurar o melhor lugar para partir para as ondas e começou a prestar atenção no diálogo.

Foi quando o ser apareceu, perto da bancada de corais usada pelos surfistas. Era homem, com a água cobrindo o corpo da cintura para baixo. Ícaro também diz não ter dúvidas que percebeu uma barbatana entre o pescoço e as costas da pessoa.

“Até então, achamos que era um mergulhador, qualquer coisa desse tipo. Mas ele tinha uma barbatana que se movimentava muito rápido. Quando o salva-vidas ia para cima para pegar, ele sumia”, contou, ao CORREIO.

De repente, o jovem, acostumado a encontrar tartarugas, golfinhos e cações, percebeu que nunca tinha visto nada daquele jeito. Passou a mão nos olhos, jogou água no rosto. Quando abriu novamente, continuava vendo a mesma cena. Disse a si: era aquilo mesmo.

“Eu só acredito vendo e, do jeito que eu vi, era parecido com Netuno, aquele jeito das costas. Não tem explicação. Ele nadava contra a corrente, brincando mesmo com os salva-vidas”, lembra, citando o deus romano do mar.

Assim como os salva-vidas, Ícaro diz ter visto um homem cabeludo, com uma careca no topo da cabeça. Tinha a pele bronzeada – e as barbatanas eram da mesma cor da cútis. Foi um homem capaz de mudar até mesmo o clima no mar. Antes dessa confusão, a maré estava calma.

“Quando esse negócio começou a acontecer, parecia que ele fazia um redemoinho por baixo da água. Quando ele subia, dava para ver bem. O rosto nunca virava, foi o que me deixou intrigado”, completou o surfista.

Fonte: Correio da Bahia