Um Boeing 757 da Air China, companhia aérea daquele país, teve uma colisão com um objeto desconhecido enquanto voava a uma altitude de 8.000 m. A aeronave fazia o voo CA 4307, entre Chengdou e Guangzhou (China) e seu radome ( é um compartimento localizado no nariz do avião onde fica o radar) parte da frente do avião, ficou amassado pelo impacto.

60FC9E79-F678-43BC-8B57-72168B49B1D3

 

As informações são de que o choque ocorreu após a decolagem, quando os pilotos ouviram um estrondo, mas sem conseguir perceber o que os atingiu. O comandante tomou a decisão de retornar ao aeroporto, quando foi percebido o amassado no nariz do Boeing. A empresa não se manifestou a respeito e ninguém conseguiu identificar o que causou o dano.

Algumas fontes dizem que uma colisão com uma ave foi descartada, enquanto outras defendem essa hipótese. Existem espécies de pássaros de maiores dimensões que voam a 8.000 m, (24 mil pés) tais como gansos, e já houve casos de choques destes com aeronaves. Mesmo diante da pouca massa de um pássaro como esse, com a velocidade de cruzeiro de um avião existe de fato a possibilidade de danos, como já ocorreram em inúmeras ocasiões.

Deve-se lembrar também que o radome das aeronaves comerciais cobre o radar meteorológico e é feito de um material mais fino e flexível que o restante da fuselagem, justamente para que as ondas do radar possam atravessá-lo. Deste modo, em caso de colisão com uma ave, a superfície amassaria e restariam poucos traços, ou mesmo nenhum, do corpo do animal. A superfície lisa igualmente não conseguiria reter materiais, tais como penas.

Ponta da aeronave ficou destruída
O nariz da aeronave ficou destruído

Outra possibilidade seria o avião da Air China haver encontrado nuvens de tempestade, como cúmulus, com formação de gelo. Um granizo de maiores dimensões poderia ser o responsável pelo estrago na aeronave chinesa, e pedras maiores já causaram danos muito mais sérios em aviões, como por exemplo em um caso em 2009 envolvendo um avião da TAM. Portanto, como de hábito na Ufologia, devemos analisar todas as possibilidades antes de evocar a presença de autênticos UFOs.

Na internet, noticiários e internautas especulam a possibilidade de choque com um OVNI ou – ainda, com um drone (veículo aéreo humano não tripulado). Um articulista da publicação Aviation Herald sugere uma causa física natural para a deformação da fuselagem metálica: pressão de ar quente…

Diante da polêmica (forteana) o ex-investigador de OVNIs Nick Pope assegurou o óbvio: que somente um exame minucioso do avião pode esclarecer o mistério…