De todos os inúmeros relatos de OVNIs e encontros com alienígenas por aí, talvez o mais espetacular seja aquele que envolve essas entidades misteriosas que se estendem de maneira agressiva para atacar os seres humanos.  Esses casos vão além da imagem de entidades alienígenas benevolentes e servem para agir como algo mais parecido com um filme de terror; no entanto, existem mais relatos como esse do que muitos podem pensar.  Um deles ocorreu nos pântanos da Flórida, e aqui temos o estranho caso de uma testemunha que aparentemente se encontrou do lado errado de forças sobrenaturais.

O cenário para este conto bizarro são os Everglades, uma vasta extensão de pântanos e pântanos tropicais cobrindo uma enorme área de 7.800 milhas quadradas da parte sul do estado da Flórida, nos Estados Unidos.  Foi a esse reino selvagem de selva sombria e infestada de mosquitos que, em 12 de março de 1965, um fazendeiro e ex-policial chamado James Flynn se preparou para caçar como sempre fazia. 

Ele carregou seu caminhão com uma charrete de pântano (uma espécie de buggy) junto com seus quatro cães de caça confiáveis, antes de iniciar a sua caçada pela estrada pantanosa,  ele então descarregou a charrete do pântano, deixou seus cães soltos e penetrou mais fundo na terra coberta de lama em busca de veados.  O terreno era muito assustador e imprevisível, mas pelo que consta, Flynn conhecia esses pântanos como a palma da sua mão e era um homem experiente em atividades ao ar livre, então tudo isso era bastante rotina para ele.  No entanto, a viagem estava prestes a se tornar estranha.

Everglades

Flynn acampou lá por vários dias, que foram bastante monótonos até as primeiras horas de 14 de março, quando por volta da 1h da manhã, seus cães sentiram o cheiro de alguma coisa no escuro e saíram correndo em direção do odor estranho grunhindo com entusiasmo.  Flynn os observou fugir, mas ficou surpreso quando, vários minutos depois, ouviu um som estrondoso reverberar por entre as árvores e os manguezais, parecendo muito com um tiro. 

Isso foi seguido por um dos cães de caça correndo de volta para o acampamento chorando e com o rabo entre as pernas, preocupado Flynn decidiu entrar em sua charrete e investigar.  Seu primeiro pensamento foi que seus cães haviam encontrado outro caçador lá fora, e que possivelmente haviam sido baleados, então ele acelerou em direção de onde o som tinha vindo.  A vegetação era escura e densa, tornando o avanço muito lento, mas ele finalmente viu algo à frente através do mato, que seria muito mais bizarro do que qualquer coisa que ele pudesse ter imaginado.

Algo à frente estava brilhando muito, mas a princípio ele não conseguiu distinguir o que era através da copa das árvores.  A luz se afastou um pouco, depois voltou ao seu ponto original e desceu para uma clareira entre alguns ciprestes.  Neste ponto, Flynn ainda não registrou isso realmente como uma nave alienígena, e quando ele desceu de seu buggy para se aproximar a pé, ele teve a impressão de que era possivelmente um helicóptero ou mesmo uma nave experimental da base de Cape Kennedy próxima  que estava com problemas. 

Seu plano era oferecer ajuda, mas ao se aproximar deu uma boa olhada pelo binóculo e percebeu que não era uma aeronave normal.  Lá, pairando a apenas alguns metros do solo, estava um objeto enorme e bem iluminado que parecia um cone invertido, medindo cerca de 30 metros de diâmetro em sua base e cerca de 30 metros de altura.  Parecia ser feito de algum tipo de material metálico liso e brilhante, e ao redor de seu corpo havia quatro fileiras de janelas que pareciam ser iluminadas por dentro com um brilho amarelo assustador.

Apesar de seu choque de medo, Flynn continuou se aproximando através do mato, hipnotizado pela visão bizarra dessa estranha máquina no meio do pântano.  Ele estava ciente de um barulho semelhante ao de um “gerador a diesel”, mas não era tão barulhento quanto seria de esperar que uma nave voadora tão grande fosse.  Mesmo assim, o cachorro que ele tinha na gaiola na charrete estava enlouquecendo, latindo e rosnando como um louco. 

Flynn chegou a cerca de 60 metros da nave de outro mundo, após o que houve um zumbido repentino como um motor a jato, seguido por uma rajada de vento que praticamente o derrubou.  Vários momentos depois, ele viu a nave emitir um feixe brilhante como uma “tocha de soldador”, que o atingiu no centro de sua testa “como uma marreta”.  Depois disso, não havia nada além de escuridão.

A próxima coisa que Flynn lembra é de acordar sob os raios da luz da manhã, mas sua visão estava embaçada e os arredores indistintos.  Ele se levantou e tropeçou, finalmente reconhecendo sua localização como onde ele estava quando perdeu a consciência, e ele podia ver através de sua visão rachada que onde o OVNI estivera agora havia uma mancha negra de arbustos queimados. 

Ele então conseguiu voltar para seu acampamento, onde seus outros cães estavam esperando por ele, e então foi para a casa de um amigo, que o levou a um hospital em Fort Myers.  Os médicos descobriram que o homem tinha os olhos injetados e vermelhos, como se os vasos sanguíneos tivessem rompido, e havia um hematoma feio no centro da testa. 

Um exame mostrou que também havia dormência e perda parcial da audição, bem como algum comprometimento do reflexo muscular, mas não havia ferimentos graves, e ele recebeu alta com expectativa de recuperação total.  Durante sua estada no hospital, ele contou com entusiasmo o que havia acontecido com ele e, embora seu oftalmologista fosse cético, ele atestaria a reputação do homem como uma pessoa honesta e realista, não sujeita a imaginações selvagens.  Um Dr. Paul R. Brown diria de suas impressões sobre a história de Flynn:

Eu examinei o Sr. Flynn pela primeira vez em 17 de março de 1965. Ele afirmou que, enquanto estava caçando na floresta nesta área, dois dias antes de eu vê-lo, ele percebeu uma luz não natural na floresta ao longe.  Ele afirmou que se aproximou da luz para observá-la e de repente foi atingido por “algo vindo de uma nave espacial”.  Ele disse que foi nocauteado e cego. 

Ele disse que recuperou parte da visão no olho esquerdo, mas não conseguia ver com o olho direito.  A Sra. Flynn o acompanhou até meu escritório, e o Sr. Flynn parecia estar em um estado de espírito bastante agitado naquele momento específico.  Ele ficava repetindo continuamente “Eu sei que você não vai acreditar em mim, mas foi o que aconteceu” e então ele começou a contar a mesma história.

Tanto quanto posso dizer, o Sr. Flynn parece ser uma pessoa bastante estável.  Ele não é considerado uma pessoa que gosta de inventar contos malucos.  Embora sua história possa ser uma história de encobrimento para algum outro tipo de incidente, eu sinto que isso é bastante improvável, uma vez que uma história mais plausível poderia ter sido pensada para encobrir para ele caso ele sentisse a necessidade de tal encobrimento.

Desde o incidente, o Sr. Flynn citou-me que ele realmente lamentava ter relatado o incidente, porque isso lhe causou muitos problemas e aparentemente muitas pessoas não acreditavam mais nele.  Na hora do incidente, eu também estava um tanto cético, mas francamente, nesta fase do jogo, não estou tão certo quanto antes.  Eu fico me perguntando por que ele deveria inventar uma história como esta.  Porém, devemos encarar o fato de que isso poderia ter acontecido por um galho de árvore ou algum outro objeto atingindo-o na testa.  A única coisa que podemos ter certeza é que ele sofreu algum golpe físico no olho direito.

O incidente seria investigado pelo NICAP e pela Força Aérea, que examinou o local do suposto encontro para encontrar um círculo de terra queimado medindo 22 metros de largura, bem como algumas árvores queimadas.  Apesar dessa evidência física intrigante, a Força Aérea foi rápida em encerrar o caso, e foi sugerido que Flynn havia simplesmente batido com a cabeça em um galho pendurado e então fabricado a coisa toda. 

No entanto, os investigadores do NICAP e das autoridades locais não tinham tanta certeza sobre isso.  Entrevistar as pessoas mais próximas de Flynn mostrou que ele era um cidadão honesto e de boa aparência, que nunca fora conhecido por pregar peças ou contar histórias fantásticas.  Supunha-se que o que quer que tivesse acontecido com ele naquele pântano, ele pelo menos parecia realmente acreditar em sua história. 

Uma nota de rodapé bastante ameaçadora para a coisa toda é que quando Gordon Lore, o Diretor Assistente do NICAP, contatou a Base Aérea de Homestead procurando por mais informações, foi informado que eles não tinham absolutamente nenhum registro do caso em nenhum de seus arquivos, e que  “Nada a respeito desse caso específico foi encontrado nos arquivos do comandante da base, da divisão de inteligência, da engenharia civil, nem deste escritório”, apesar de certamente terem investigado.

Ficamos nos perguntando o que aconteceu naquele pântano naquele dia.  O que aconteceu com Flynn?  O que eram essas entidades e o que elas queriam?  É mesmo real ou apenas uma farsa?  Houve um encobrimento envolvido?  Provavelmente nunca saberemos as respostas, e continua sendo outra resposta estranha para os arquivos.