Um grupo de mergulhadores mergulhando recentemente no sistema de cavernas Sak-Aktun, na península de Yucatán, encontraram cerca de 12 esqueletos humanos de milhares de anos atrás.

Um arqueólogo especialista, Guillermo de Anda, acreditava que um crânio humano envolto em calcário chamou a atenção, ele havia sido descoberto em uma das cavernas. O responsável pelo calcário é a água da chuva, de acordo com os cientistas.

Muitos desses ossos humanos, segundo muitos historiadores, pertencem aos índios Maias que desceram lá em busca de água, e por alguma razão acabaram morrendo.

Os pesquisadores acharam que o crânio mencionado envolto em calcário, era incrivelmente interessante, fizeram estudos mais aprofundados, entre eles uma tomografia, algo inesperado foi encontrado que chocou a todos eles, decidiram evitar falar sobre isso pois era surreal e ninguém iria crer.

Além disso, um repórter mexicano chamado Pedro Sanche afirmou ter recebido informações confidenciais de um denunciante, alegando que o crânio, na verdade, tinha um implante artificial, simplesmente um Microschip, como foi parar lá? Quem o implantou?

Embora os especialistas inicialmente presumissem que era apenas uma placa de metal normal embutida no cérebro daquele indivíduo, acabou sendo na verdade algo totalmente diferente, após os resultados dos exames, descobriu-se que era um microchip inserido no corpo de um homem um há mais de 12.000 anos, de acordo com Sanche.

Como tudo é conhecido como ultrassecreto, ninguém sabe quem colocou o microchip nas cabeças Maias ou quais são as consequências dessa revelação.