Um incidente ocorreu em Portugal, em 2 de novembro de 1959, que abalou todo o estado. Um organismo chamado ‘criatura de Évora’ foi descoberto e estudado em Portugal há cerca de 61 anos.

Começa com o avistamento de um OVNI na cidade. Joaquín Guedes do Amaral, director da Escola de Indústria e Comércio, estava trabalhando, quando os seus colegas o alertaram para um objeto invulgar pairando sobre Évora.

Ovni

Amaral trouxe um telescópio para examinar o organismo mais de perto. Meia hora depois, outro OVNI emergiu, semelhante a uma água-viva. O objeto oscilou e se moveu rapidamente pelo céu, ocasionalmente parando e continuando. Ele finalmente parou, pairando no ar por aproximadamente meia hora antes de decolar novamente em alta velocidade.

Raros fios brancos e gelatinosos começaram a se espalhar por toda a região assim que isso aconteceu. Com uma espessa cobertura branca, quase tudo estava submerso em branco. As pessoas foram retiradas da área. O organismo estranho foi mostrado por militares e cientistas da Universidade de Lisboa. Apesar de ter uma estrutura frágil e difícil de montar.

De acordo com os resultados dos testes, foi classificado como um organismo unicelular, talvez um micróbio com características desconhecidas.

A Misteriosa Criatura de Évora

O conhecido do professor Joaquin Conceição-e-Silva recebeu instrução de voo na base de Sintra. Ele também esteve presente nos eventos da universidade. Os militares, Conceição e Silva, todos corroboraram essas ocorrências.

O professor Joaquin procurou seu amigo Eugenio, pai de Conceição, membro da Sociedade Astronômica Francesa. Ambos conduziram experimentos com uma substância bizarra que se assemelhava a um monstro.

Parte da documentação sobre a existência de Évora. Informações básicas foram perdidas em um incêndio misterioso.

Quando as placas para análise foram colocadas, descobriu-se que a substância era resistente. Isso não é característico de qualquer micróbio conhecido no planeta. Como resultado desta pesquisa, foi produzido um relatório que dizia o seguinte:

“O microrganismo Évora tinha cerca de 4 mm de tamanho, constituído por tentáculos. Exibe ativamente reações protetoras a placas de laboratório. Estudos posteriores mostraram que seus tentáculos podem suportar pressões de até 350 gramas.

No início da observação, tinha cores diferentes.  O corpo central era amarelo, tentáculos intensamente vermelhos, ao mesmo tempo em que as cores mudavam, dando uma coloração amarelo-acastanhada.  O que estava ficando cada vez mais escuro.

Os tentáculos eram formados por filamentos paralelos ligados por uma substância gelatinosa. Cada fio era transparente. No interior, podiam-se ver pequenos corpos que cresciam com o tempo.

Os fios foram projetados com força na placa de vidro para criar uma linha de contato perfeitamente contornada. Havia uma abertura em forma de boca no centro do corpo central, em torno de desenhos muito delicados. Pode haver dobras ou rachaduras na substância de que é composto.

Vários investigadores e cientistas constituíram uma hipótese e foi sugerido que a criatura de Évora era “uma estranha criatura completamente desconhecida da biologia terrestre. Esta pode ser considerada a primeira evidência descoberta de vida extraterrestre.”

Essas observações foram realizadas por 2 anos, até que os tentáculos e o corpo central finalmente se desintegrassem.”
Hipótese relacionada com a Origem

Francisco Mouran Correa, coordenador de exopolítica de Portugal, Javier Sierra e vários cientistas e pesquisadores de OVNIs, estudaram meticulosamente este caso antes de formular uma hipótese. Os professores da Faculdade de Ciências de Lisboa perturbaram os estudos do professor Joaquin Amaral, obrigando-o a abster-se de falar à imprensa.

Em 1978, um incêndio destruiu as provas de que a criatura de Évora existia na Faculdade de Ciências Naturais de Lisboa. Os bombeiros não conseguiram extinguir as chamas que surgiram ao redor do micróbio, por algum motivo.

Não se sabe o que aconteceu com o inquérito, ou o que ou quem causou o incêndio neste momento. Além disso, se eles foram ou não confiados a um departamento diferente. Tudo aponta para que isso seja uma tentativa de manter um fenômeno extraterrestre oculto.