Por alguns anos, uma série de anomalias fizeram pesquisadores e teóricos começarem a suspeitar que a Lua é realmente um holograma ou satélite artificial.

Localizada a 384 mil quilômetros de distância, a Lua é o primeiro vislumbre que temos da vastidão do Universo. No entanto, é realmente um satélite natural?

Circunstâncias estranhas levaram especialistas a acreditar que poderia ser artificial e até mesmo um holograma.

E se a Lua não fosse um satélite natural?

Segundo os astrônomos, com um diâmetro equatorial de 3.474 quilômetros, é o quinto maior satélite do Sistema Solar. É um quarto do diâmetro da Terra e sua massa é 81 vezes mais leve.

Está em uma relação síncrona com o nosso planeta, então sempre veremos sua mesma face. Supostamente, é o mais atingido, por isso está cheio de crateras e montanhas. Segundo os cientistas, um mundo de poeira e vazio.

Mas há certas coisas que ainda não entendemos: por que quando ocorre um eclipse solar, há um arranjo geométrico tão exato que cobre completamente nossa estrela e tem uma proporção de 400 vezes em largura e distância?


Mas isso não é a única coisa que a torna estranha. Quando capturado em vídeo por câmeras ou telescópios poderosos, anomalias estranhas podem ser vistas.

Em 4 de janeiro de 2017, os pesquisadores encontraram uma anomalia que apelidaram de “onda lunar peculiar”. Esta onda atravessa toda a superfície e circunferência da Lua e só ocorre quando está em plena fase lunar.

Essa característica é comum nos filmes ou gravações que vemos através de hologramas. Isso tem causado grande polêmica em todo o mundo.
Os céticos que essa estranha onda se deve à presença de ondas de calor presentes na atmosfera da Terra.

Isso causaria esse efeito quando filmado com close-ups bastante consideráveis.

A Teoria do “Holograma da Lua”


A tecnologia terrestre de holografia é uma técnica avançada de fotografia que recria imagens tridimensionais através do uso da luz.
Para isso, é utilizado um feixe de laser que grava microscopicamente um filme fotossensível. Ele pode armazenar cerca de 700 vezes mais informações do que uma fotografia comum.

As imagens podem aparecer fora de seus limites e quem observa, sem a necessidade de nenhum acessório como óculos, pode vê-las variando as perspectivas de posição.


Essa anomalia aumenta a longa lista de mistérios inexplicáveis que cercam a Terra e o Universo. Os mesmos que estão presentes há muito tempo e foram descobertos graças ao público em geral.
Embora as agências espaciais e os céticos neguem a realidade, eles não são mais os únicos com tecnologia para observar o Universo.