Duas estruturas colossais dentro do núcleo da Terra que confundem os cientistas

Os geólogos estão intrigados com a presença de dois gigantescos objetos rochosos ultra-quentes perto da borda do núcleo.

As misteriosas ” bolhas ” (como os cientistas as descrevem) estão localizadas em extremidades opostas do planeta:

Uma abaixo da África e outra no meio do Oceano Pacífico.

Embora a descoberta das anomalias tenha sido feita há duas décadas ao mapear o interior do planeta, os pesquisadores não conseguiram aprender muito desde então.

Anomalias maciças na borda do núcleo: Teorias

Pesquisadores apresentaram duas teorias para explicar a origem das anomalias, ou bolhas, relata a Quanta:

A primeira teoria sustenta que seriam aglomerados gigantescos de plumas quentes, magma emitido pelo núcleo da Terra.

A segunda teoria sugere que as bolhas são tão grandes que encheriam a superfície do planeta com um oceano de lava de 60 milhas de profundidade.

Os pontos na Terra como mostrado na imagem dos dados sísmicos. A mancha africana está no topo e a mancha do Pacífico está na parte inferior.

Essa região seria uma parte exclusiva do interior do planeta e não apenas uma parte do núcleo.

Agora acontece que esses objetos enormes parecem estar em movimento e mudando de forma.

Esquerda: localizações de 34 estações sísmicas utilizadas neste estudo (triângulos). Direita: Delineado em azul, parte da estrutura abaixo da África.

Essas estruturas antigas gigantes, chamadas de plumas de manto, ambas criam vulcões quando tocam a superfície da Terra, eram anteriormente consideradas estacionárias.

Mas só porque essas plumas épicas do manto são do tamanho de continentes não significa que elas não mudem de forma ao longo do tempo, dizem pesquisadores de universidades da França, China e Austrália por trás de um novo estudo publicado na revista Nature.

Os pesquisadores escreveram:

“As penas do manto estão se movendo. As estruturas do manto basal estão atualmente sendo deformadas”.

Elementos da Terra Em um ensaio co-escrito publicado no The Conversation, os autores do estudo disseram que, como os continentes, essas estruturas da Terra profunda podem formar “superpontos” e depois se separar ao longo do tempo.

Seus modelos indicam que a “mancha africana” provavelmente se formou há apenas 60 milhões de anos, muito longe das estimativas anteriores de que estava lá há quase dez vezes mais tempo.

Curiosamente, os pesquisadores dizem que essa descoberta pode ajudar a economia da Terra, pois o novo entendimento pode identificar melhor onde podem surgir depósitos de diamantes, níquel e outros metais, tornando-os mais fáceis de minerar.

Os resultados da pesquisa foram publicados na revista Nature.