O progresso tecnológico da humanidade nos últimos séculos deu às pessoas aviões, navios a vapor, trens, helicópteros, submarinos, naves espaciais e muito mais.

Junto com essa diversidade, nossa civilização também conheceu catástrofes grandiosas. O mesmo “Titanic”, vários acidentes nas ferrovias, acidentes de avião. Mas, nem em todos os casos houve um colapso. Alguns incidentes permaneceram sem uma explicação lógica. O naufrágio do submarino Dakar pode ser considerado um caso assim.

Em 1968, um submarino comprado por Israel da Inglaterra partiu da cidade britânica de Portsmouth. A rota foi escolhida como a mais segura. Quase três semanas depois, o Dakar deveria chegar à cidade israelense de Haifa. Mas isso não aconteceu.

Em 9 de janeiro de 1968, o submarino foi visto pela última vez. A comunicação com a tripulação foi mantida até 24 de janeiro. Tendo superado a ilha de Creta, o capitão do submarino, Yaakov Ranaan, anunciou que o Dakar chegaria a Haifa quase um dia antes do previsto.

Essas palavras acabaram sendo a última frase recebida do submarino. Após 6 horas, ninguém entrou em contato com o centro. Para evitar pânico entre a população, a liderança do país relatou interrupções na comunicação com a tripulação e se referiu às más condições climáticas em Israel quando começou uma tempestade de areia.

Dois dias depois, o primeiro-ministro do país admitiu que a comunicação com os submarinistas havia sido perdida.

Durante cinco anos, a busca pelo submarino afundado não deu nenhum resultado. Apenas 31 anos depois, em 1999, submersíveis americanos, vasculhando o fundo da área de água entre Chipre e Creta, notaram um objeto estranho. Acabou sendo o submarino Dakar.

Investigações posteriores mostraram que não houve danos da suposta mina ou explosão de torpedo. O barco estava em condições quase intocadas. As tentativas dos americanos de culpar a URSS pela morte do submarino não tiveram sucesso.

Algo causou a quebra de todo o equipamento.
Documentos oficiais sobre os resultados da pesquisa do submarino foram desclassificados apenas em 2015. De acordo com esses relatórios, o submarino de Dakar não foi atacado, a causa da inundação foi a falha misteriosa de todos os sistemas.

No mesmo ano de 2015, a mídia israelense tomou conhecimento do início de informações adicionais sobre este caso, uma vez que os documentos recebidos não indicavam o motivo da falha do equipamento.

Nenhuma resposta foi recebida a esta solicitação.  Então, uma variedade de versões começou a aparecer: desde a radiação do OVNI subaquático até um mau funcionamento comum.

Apesar de todos os esforços, não foi possível içar o submarino de uma profundidade de 3.000 metros.  Apenas parte foi trazida à superfície.  Ao mesmo tempo, o mistério é que todos os marinheiros foram para algum lugar do submarino afundado.
“Gostaria que tivéssemos algo em que acreditar ou esperar que pudéssemos esconder.  Não há nada que nós saibamos que você não saiba.  Não estamos escondendo nada”, disse o então ministro da Defesa, Moshe Dayan.

“Não sabemos nada além de que em algum momento o contato foi quebrado e não ouvimos nada desde então”, disse ele.

“Se soubéssemos definitivamente, se tivéssemos evidências factuais de que os membros da tripulação ou que alguns deles se afogaram ou morreram, iríamos aos pais e às famílias e contaríamos a eles”, disse Dayan.

O Brilho Misterioso

Um brilho misterioso naquela região foi capturado por pescadores da Inglaterra.
Os investigadores não encontraram um único corpo de um membro da tripulação. Onde as pessoas poderiam ter ido? O mistério da morte do submarino “Dakar” é um dos não resolvidos até hoje.

Pesquisadores independentes encontraram entradas em um relatório de arquivo do Reino Unido. Ele disse que a traineira de pesca da Inglaterra registrou um objeto luminoso redondo de 22 metros na área do futuro desastre submarino de Dakar.

O objeto então flutuou para a superfície, depois foi para as profundezas e tornou-se distinguível apenas no radar. Com base nisso, a versão sobre o impacto da radiação UFO subaquática no equipamento do submarino e o subsequente desligamento do equipamento pode ser verdadeira.