O oficial piloto da Marinha dos EUA, David Fravor, depois de treze anos, decide quebrar o silêncio.

O caso em questão é um dos que deram origem a um programa secreto, agora reconhecido pelo Pentágono, chamado Advanced Aviation Threat Identification, que estava operacional entre 2007 e 2012. No entanto, segundo o Washington Post, a pesquisa do Pentágono ainda estaria em andamento.

“Não sei quem os construiu, quem tem a tecnologia, quem tem o conhecimento. Mas há algo ali, que era melhor que o nosso avião”, disse David Fravor, antigo comandante de um esquadrão de caças.

“Não sei quem os construiu, quem tem a tecnologia, quem tem o conhecimento. Mas há algo ali, que era melhor que o nosso avião”, disse David Fravor, antigo comandante de um esquadrão de caças.

O comando da Marinha americana, ao longo de duas semanas, atraiu cerca de vinte objetos voadores que se comportaram de uma maneira muito estranha. Em um desses casos, uma missão de treinamento normal estava ocorrendo nas proximidades, em preparação para a guerra no Iraque.

O comando suspendeu o exercício e enviou dois caças para a área onde um desses OVNIs havia sido rastreado. À frente do primeiro avião estava o oficial da marinha americana David Fravor, que comandava o esquadrão F-18, e ao volante do outro estava o tenente Jim Slaight.

Depois de se aposentar em 19 de dezembro de 2017, 13 anos após essa experiência extraordinária, David Fravor decidiu divulgar uma entrevista ao Washington Post que abalou a opinião pública americana.

David Fravor estava sob o controle do seu F / A-18 Hornet, a cerca de 100-100 milhas da costa da Califórnia, entre San Diego e Ensenada, no México. Durante o exercício, Fravor recebeu ordens de percorrer 60 milhas a oeste de sua posição atual.

David Fravor

O comando informou que foram identificados objetos voadores que desceram de uma altitude de vinte e quatro mil metros a seis mil metros e depois desapareceram. Quando Fravor e Slaight chegaram perto do ponto indicado, viram um objeto voando sobre o oceano. “Era branco e tinha a forma oval como um tic-tac, do mesmo tamanho de um Hornet, com doze metros de comprimento, sem asas”.

O objeto estava “flutuando perto da água”, mas não produziu nenhuma turbulência típica das pás do helicóptero na água. “Quando me aproximei – diz Fravor – ele acelerou e desapareceu. Mais rápido do que qualquer coisa que eu já vi na minha vida. Não sou louco, não bebi. Digamos que, após dezoito anos de vôo, vi quase tudo o que se pode ver, mas isso foi algo realmente incrível, era um objeto real, acima de tudo, era algo que NÃO era terrestre »