O Metaverso promete trazer uma nova realidade para a Internet.

O mundo virtual proposto pela Meta e outros gigantes da tecnologia usa recursos avançados, como realidade virtual aumentada, para permitir que as pessoas interajam umas com as outras por meio de avatares 3D.

No entanto, essa novidade pode ocultar uma série de perigos para o usuário e a sociedade, como a violação da privacidade, a circulação de informações falsas e a promoção do discurso de ódio.

Outros potenciais efeitos negativos do metaverso incluem bullying, impacto na autoestima dos participantes e aplicação de golpes de criptomoedas.

Embora haja um perigo muito pior, a distorção da nossa realidade. Mas parece que o Metaverso será pior do que pensamos.

Bebês digitais

Os mundos virtuais podem levar a uma evolução de “crianças virtuais”; bebês gerados por computador que você pode segurar, cheirar e interagir.

De acordo com um dos principais especialistas em inteligência artificial do Reino Unido, os bebês cibernéticos provavelmente se tornarão comuns no próximo meio século.

Catriona Campbell, uma das principais autoridades britânicas em tecnologias emergentes e disruptivas, diz que, até 2070, a realidade aumentada (AR) e as luvas hápticas “sensíveis ao toque” tornarão a experiência potencialmente hiper-realista.

Nesse ponto, até um em cada cinco pais pode decidir optar por um bebê digital em vez de um real, onde as crianças ‘crescerão’ em tempo real, mas existirão apenas no metaverso virtual.

Os pais verão e interagirão com seus filhos por meio de óculos de realidade aumentada e luvas hápticas de última geração, dispositivos vestíveis que reproduzem sensações como agarrar um objeto ou passar a mão por uma superfície, o que significa que eles podem abraçar, alimentar e brincar com seus filhos a qualquer momento.

Eles não custarão nada para se alimentar, não ocuparão espaço e permanecerão saudáveis enquanto estiverem programados para “viver”.

Podem ser acedidos através de um serviço de subscrição por apenas 25€ por mês.

Por mais estranho que seja o conceito, Campbell defende a ideia, dizendo que representa uma solução viável de longo prazo para o controle da natalidade sem impedir que as pessoas tenham filhos e oferece uma alternativa para um mundo que enfrenta uma população crescente.

Estima -se que 350.000 bebês nascem em todo o mundo todos os dias, excedendo em muito o número de mortes.

Suas previsões sobre o futuro da IA e seu impacto na humanidade são detalhadas em seu novo livro, ‘AI by Design: A Plan For Living With Artificial Intelligence‘.

“As crianças virtuais podem parecer um grande salto de onde estamos agora, mas daqui a 50 anos a tecnologia terá avançado a tal ponto que os bebês que existem no metaverso não serão diferentes dos do mundo real”,

Explica Campbell, de acordo com o relatório Estudo Encontra.

“À medida que o metaverso evolui, posso ver as crianças virtuais se tornando uma parte importante e totalmente aceita da sociedade em grande parte do mundo desenvolvido. Com base em estudos sobre por que os casais optam por não ter filhos, acho que seria razoável esperar que até 20% das pessoas optassem por ter um bebê com AI em vez de um bebê real. Isso levará ao primeiro demográfico totalmente digital que, embora um pouco estranho à primeira vista, na verdade representa o que poderia ser um dos avanços tecnológicos mais importantes da humanidade desde o advento da Idade do Bronze, devido ao seu potencial impacto nas populações.

No ritmo em que a IA e o metaverso estão evoluindo, Campbell acredita que é apenas uma questão de tempo até que seja usado para criar filhos virtuais para casais que se parecem, sentem e se comportam exatamente como a coisa real.

Ela acredita que as crianças digitais terão rostos e corpos fotorrealistas e serão capazes de reconhecer e responder a seus pais usando rastreamento facial e análise de voz embutidos em um headset AR.

As crianças digitais provavelmente “existirão” no metaverso onde os pais podem interagir com seus filhos.

Eles serão capazes de falar e oferecer respostas emocionais simuladas, como o choro de um bebê, a risadinha de uma criança ou a tagarelice de um adolescente, e terão uma forma de memória digital e outras habilidades cognitivas.

O começo do fim

Há muitos especialistas que dizem que a humanidade está enfrentando uma invasão, mas não é extraterrestre.

Em vez disso, a ameaça potencial nascerá aqui na Terra, criada em um laboratório de pesquisa bem financiado em uma universidade de prestígio ou corporação multinacional.

Estamos nos referindo à primeira inteligência geral artificial (AGI) a demonstrar capacidades de pensamento que excedem as nossas.

E os bebês digitais serão a culminação perfeita de seu trabalho:

Manipular e escravizar a raça humana.

Os bebês digitais serão um perigo para a raça humana?

Ou são uma solução para o problema de superpopulação?

Deixe sua opinião nos Comentários!
E compartilhe com seus amigos…