Uma das regras mais simples da vida é que ela sempre acaba, então é difícil pensar que possam existir espécies de animais imortais. Na maioria das vezes, as criaturas que mais se aproximam disso são aquelas que possuem uma longevidade bem superior a dos humanos.

Para os seres humanos, passar de 100 costuma um ser feito de grande destaque. Para algumas espécies, no entanto, é possível quebrar a barreira da centena com facilidade, muitas vezes chegando a ciclos de vida de podem passar de 500 anos.

Por outro lado, existe uma espécie conhecida que desafio o ciclo da vida. Criaturas que só morrem se forem atacadas ou assassinadas, o mais próximo que temos de animais imortais, imunes a mortes por causas naturais.

Animal imortal

Animais imortais - como é a vida das espécies que não morrem
BBC

O animal que possui a maior longevidade entre todos os conhecidos da Terra é a água-viva Turritopsis dohrnii, anteriormente chamada de Turritopsis nutricula. As criaturas da espécie só morrem se forem comidas por outros animais, do contrário permanecem viva para sempre.

A descoberta do animal foi registrada em 1883, mas a habilidade de imortalidade e longevidade só foi descoberta mais de um século depois, em 1990.

Essas águas-vivas consegue reverter o ciclo da vida caso cheguem próximo da morte por fome, ferimentos ou outras condições que não a destruição por outra criatura. No momento da possível morte, são capazes de transformar todas as células para um estado mais jovem.

Cientificamente, o processo da transdiferenciação define células que sofrem transgressão e adquirem um novo tipo. No caso desses animais imortais, no entanto, o novo tipo corresponde a um estágio inicial, garantindo a manutenção da vida.

De acordo com Leonardo Bôscoli Lara, professor de animais silvestres da faculdade de veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), esse ciclo se repete cerca de cinco vezes por ano, em cativeiro.

Existem mais alguns conhecidos

Planária: Assim como as Turritopsis nutricula, essas criaturas não morrem por causas naturais. Isso porque suas células são regeneradas o tempo todo, garantindo a longevidade. Ou seja, também faz parte do panteão de “animais imortais.

Planária

Urso-d’água: Esses animais são seres microscópicos pertencentes ao filo Tardigrada. Sua capacidade de sobrevivência é tão incrível, que é capaz de sobreviver até mesmo no espaço. Além disso, conseguem sobreviver entre temperaturas que vão de -273 °C a 100 °C, exposição à radiação e dez anos sem alimentos.

Tardigrada

Ostra: Assim como as tartarugas-marinhas, as ostras possuem uma expectativa de vida que ultrapassa a casa das centenas. Na verdade, uma ostra vive, em média, 400 anos! Como vive em águas geladas e possui o metabolismo muito lento, a espécie tem um processo metabólico bem devagar, o que prolonga a sua vida.

As ostras utilizadas para produção de pérolas no comércio ou para alimentação, entretanto, vivem bem menos do que isso. Essas últimas, inclusive, são abatidas no início da vida, entre dezoito e trinta meses de existência.