Um desenvolvimento assustador está ocorrendo em Israel, onde cientistas criaram o primeiro “embrião sintético” do mundo, abrindo a “porta” do horror para o que pode acontecer nos próximos anos.

Como diz o ditado “o caminho para o inferno está pavimentado de boas intenções”.

Estudando os detalhes da pesquisa, que segundo o “The Guardian” foi publicada na revista “Cell”, não se pode deixar de estremecer ao ler que nem esperma nem óvulos foram necessários para criar o embrião sintético.

O primeiro “sucesso” da pesquisa é que ela torna totalmente desnecessário o processo de fecundação, a contribuição simultânea da fêmea e do macho para a criação de uma nova vida.

Todos os pesquisadores do Instituto Weizmann necessários para seus experimentos eram células pluripotentes de camundongos, também conhecidas como células-tronco.

Ao unir duas células-tronco e direcioná-las adequadamente usando produtos químicos, eles conseguiram obter um embrião experimental. De fato, à medida que o embrião crescia, ele desenvolveu as primeiras estruturas celulares complexas dentro dele, que tinham todas as características necessárias para se transformar em um coração, intestino ou cérebro pulsante. E não só isso.

Segundo o líder da equipe de pesquisa, professor Jacob Hanna, os embriões sintéticos desenvolveram um cordão umbilical por conta própria, assim como a membrana que envolve os embriões naturais no abdômen da mãe, conhecida como saco lacrimal.

Os pesquisadores argumentam que a criação de embriões sintéticos ajudará a ciência a entender melhor o desenvolvimento de embriões e órgãos naturais.

Eles acrescentam que isso poderia levar à descoberta de novos medicamentos para doenças graves e abrir novos caminhos para a pesquisa.

É claro que a criação de humanos sintéticos pode ter outras aplicações, como a aquisição de uma força de trabalho que poderá operar sob as condições e status de escravidão.

Isso terá outras implicações morais, filosóficas e práticas, pois tornará desnecessário reproduzir humanos naturalmente.

Ou seja, os casais não serão mais necessários para produzir pessoas que darão continuidade à cultura e à história da Humanidade.

O cenário do lendário filme de Ridley Scott “Blade Runner”, baseado no igualmente lendário livro de Philip Dick, “Do Androids Dream of Electric Sheep?”, no qual em um futuro quase distópico a Humanidade produz replicantes geneticamente avançados, que são aparentemente semelhantes aos humanos. Seu uso na Terra é proibido, e eles são regulamentados exclusivamente para trabalhos perigosos ou médicos, em colônias fora do mundo.

Os replicantes que desafiam a proibição e retornam à Terra são procurados e mortos (“derrubados”) por agentes especiais da polícia conhecidos como “Blade Runners”.

Tudo isso será feito em um mundo ideal e angelical. Mas sabendo quem costuma governar o planeta em que vivemos, sabemos que nada disso acontecerá sem benefício e lucro.

E o maior lucro é sempre a criação de escravos para os quais nem haverá um arcabouço legal de que são de fato escravos.