A Agência de Inteligência do Departamento de Defesa dos EUA desclassificou 1.500 páginas de pesquisas relacionadas a OVNIs sob a Lei de Liberdade de Informação.

O relatório descreve encontros com OVNIs onde as pessoas foram fisicamente feridas, sofreram queimaduras de radiação, danos ao cérebro e ao sistema nervoso e até desapareceram. Os resultados foram publicados pelos tablóides britânicos The Sun e Daily Mail.

Os documentos incluem relatórios sobre o impacto de tecnologias avançadas em humanos – como capas de invisibilidade e eventos de contorno como “abdução aparente”, “gravidez não relatada”, encontros sexuais, experiências de telepatia e suposto teletransporte.

Em alguns casos, descobriu-se que as pessoas apresentavam queimaduras ou outras condições causadas por radiação eletromagnética, criada por “sistemas de propulsão relacionados à energia”.

Também houve casos de danos ao cérebro, sistema nervoso, aparecimento de batimentos cardíacos acelerados e dores de cabeça após uma colisão com “veículos anômalos”.

Evidências semelhantes foram coletadas por membros do departamento militar para um programa secreto que foi encerrado em 2012.

“Incidentes/acidentes suficientes foram relatados com precisão e dados médicos obtidos para apoiar a hipótese de que alguns sistemas avançados já estão implantados e não são transparentes para o pleno entendimento dos EUA”, diz o relatório.

Lista do Pentágono de danos aos seres humanos

O estudo categoriza vários tipos de encontros com objetos não identificados, incluindo aqueles acompanhados pelo aparecimento de fantasmas, bigfoot ou espíritos, e outros que resultam em ferimentos, morte e até “cura”.

O relatório de 2010 coletou 42 eventos adversos de prontuários médicos e 300 casos “não notificados”.  No total, as investigações do Programa Avançado de Identificação de Ameaças Aeroespaciais (AATIP) ocupam 1.500 páginas.  Eles foram compartilhados com as publicações do ex-gerente do programa Luis Elizondo.

No outono de 2021, o Departamento de Defesa dos EUA anunciou a criação de uma nova unidade, que o comando instruirá a detectar e identificar OVNIs em “espaço aéreo restrito”.

O novo serviço foi organizado após a publicação de um relatório que a inteligência compilou para o Congresso. O artigo analisou uma série de fenômenos celestes inexplicáveis observados pelos militares.

A Equipe de Identificação de Aeronaves e Gerenciamento do Espaço Aéreo substituirá a Força-Tarefa de Fenômenos Aéreos Não Identificados da Marinha (uma unidade que começou a trabalhar no ano passado para “melhorar sua compreensão dos OVNIs”).

O objetivo do novo serviço será: “detecção, identificação e descrição de objetos no espaço aéreo, bem como a avaliação e prevenção de quaisquer ameaças à segurança de voo e à segurança nacional”.