15 anos sem ver o sol, esta seria a primeira consequência do inverno nuclear. No entanto, a Humanidade não se extinguiria. Confira aqui a dieta possível para os sobreviventes.

A cinza cobriria o céu com grossas nuvens negras, e sem o sol, a maioria das culturas que alimentam o mundo seria inviável. Sem plantas, poderíamos dizer adeus aos herbívoros e outros animais dos quais nos alimentamos. 

Os investigadores Daniel Jefferson Winstead e Michael Gregory Jacobson, da Real Academia Sueca de Ciências publicaram um estudo no qual refletem quais os alimentos que conseguem resistir a uma catástrofe nuclear e quais podem ser cultivados. A worm mopane (gonimbrasia belina) e a mandioca estarão no menu principal.

Gonimbrasia belina é uma espécie nativa das partes mais quentes do sul de África. A sua grande lagarta comestível, alimenta-se, principalmente, das folhas das árvores mopane. Estes vermes são uma importante fonte de proteína para muitos habitantes na região.

A borboleta Gonimbrasia belina é uma borboleta noturna típica da África Meridional, tem grandes lagartas comestíveis, as lagartas mopani ou mopane, que são uma importante fonte de proteína. Estão na lista de possíveis alimentos num futuro apocalíptico.

Uma catástrofe global que cega o sol é mais plausível do que qualquer um gostaria de pensar. Os modelos mostraram os efeitos devastadores que esses eventos podem ter nos sistemas agrícolas do mundo nos 15 anos pós-apocalipse.

Culturas tolerantes à sombra, seca e frio

O artigo propõe encontrar novas culturas tolerantes à sombra, à seca e ao frioe mais fontes de reservas de alimentos se houver alguma esperança em alimentar a população mundial perante tal cenário.

As plantas comestíveis selvagens são importantes amortecedores para a segurança alimentar de povos indígenas, povos empobrecidos e aqueles em áreas com estações de crescimento erráticas em todo o mundo.

Com as colheitas arruinadas e os pastos congelados, os grandes rebanhos de herbívoros desapareceriam rapidamente e, com eles, a carne na nossa dieta. No entanto, apesar da catástrofe, as florestas tropicais ainda ofereceriam uma oportunidade para a produção limitada de alimentos pela população local porque, apesar das espessas nuvens de cinzas, a região seria um pouco mais quente do que o resto do planeta.

Os investigadores classificaram as plantas silvestres comestíveis em sete categorias principais, além dos insetos da floresta: frutas, vegetais folhosos, sementes/nozes, raízes, especiarias, doces e proteínas.

Este besouro é uma iguaria entre muitas tribos africanas e é recolhido na parte externa dos troncos das palmeiras.

Especificamente, há estudos que mostram que certas quantidades destes alimentos podem estar disponíveis nessas regiões, tais como: konjac (planta também conhecida como língua do diabo), mandioca, cogumelo de ostra selvagem, safou (fruta tropical), espinafre selvagem, amaranto vegetal, palmeiras, minhoca, dilo, tamarindo, baobá, acácia, inhame e escaravelho vermelho da palmeira, um parasita que afeta principalmente as palmeiras, e que seria uma fonte aceitável de proteína.

Plantas alimentícias mais adequadas para cultivo após catástrofe nuclear

De uma lista inicial de 247 plantas alimentícias silvestres, os investigadores selecionaram 33 como as mais adequadas para cultivo nas florestas tropicais após uma guerra nuclear. Noutras áreas do mundo, já inabitáveis para humanos, a agricultura não seria possível.

Assim, enquanto a Terra se recuperaria da catástrofe, apenas algumas das muitas plantas e insetos comestíveis poderiam ser utilizadas para cultivos de emergência de curto prazo.

Fonte: tempo.com