Buzz Aldrin ganhou as manchetes em todo o mundo há cinquenta anos, quando se tornou o segundo homem a andar na face da lua.

Agora, ele mesmo escreveu um artigo notável para o Washington Post há algum tempo, no qual incentiva os Estados Unidos a começar a examinar seriamente a colonização de Marte.Porém não se sabe qual a razão dessa afirmação, o que será que o astronauta sabe?

Buzz Aldrin

Estaríamos em risco eminente? Algo ou alguma coisa está por acontecer no planeta em escala global, que poderia colocar a sobrevivência da raça humana em serio perigo de extinção ?

Aldrin escreve que os Estados Unidos devem tornar a migração para o Planeta Vermelho possível como uma prioridade nacional. Ele escreve: “Os olhos dos Estados Unidos e nosso compromisso unificado devem se concentrar em abrir a porta, em nosso tempo, para a grande migração da humanidade para Marte”.

Aldrin escreve que acolhe a iniciativa da administração Trump de lançar novas missões à Lua e Marte, mas acredita que essas aventuras exploratórias são apenas o primeiro passo. Em vez disso, ele quer ver os passos de rápido crescimento da pesquisa científica que abrirão o caminho para a migração humana para Marte.

“A colonização de Marte pode ser essencial para a sobrevivência da espécie humana”

Em seu artigo, Aldrin não explica por que acredita que a colonização de Marte pode ser essencial para a sobrevivência da espécie. Embora se possa presumir que Aldrin está preocupado com o risco para o planeta dos efeitos das mudanças climáticas, da superpopulação global ou alguma catástrofe que se aproxima e que a NASA tem conhecimento e esconde, É por isso que devemos prosseguir com isso!

O tom de Aldrin não prejudica uma possível ameaça de extinção, mas sim caracteriza a exploração do espaço como uma grande força unificadora. “Em um mundo tão cheio de divisões e conflitos – escreve Aldrin – a colonização de outro planeta pode ser um projeto necessário para unir a humanidade”.